Categories for links

Webdesign experimental

23 Mar 2010 | publicado por dedos | Comente

Alguns podem ter reparado que venho chamando há algum tempo minhas atividades no dedos.info de “webdesign experimental”. O que quero dizer com isso? Uma noção de webdesign que não necessariamente inclua os indefectíveis conceitos de usabilidade, clareza, acessibilidade e por aí vai. Ou então que priorize uma forma não-convencional de visualidade para a Internet. Ou tenha um conceito claramente não-comercial, priorizando outro tipo de “utilidade”. Daí pra pior, então melhor eu parar, pra não correr o risco de cair num texto ilustrativo que nada demonstra. Vamos diretamente aos links… sem descrições. Os mais atentos perceberão que plagiei vários deles, descaradamente.

Links deliciosos

net.art: mini-paideuma (ou 10 links)

2 Jul 2009 | publicado por dedos | Comente

Olá amiguinhos. Vocês, com certeza, estão a pensar exatamente isto: “é início de julho, eu estou em frente a este computador, e raios, visito sempre os mesmos sites, faço as mesmas coisas: e a Internet é tão grande. Eu adoraria, certamente, que algum desocupado selecionasse dez links para obras de arte feitas para a Internet, para que eu pudesse usufruir de maneira diferente a minha máquina conectada à rede mundial”.

Calma, calma, eu já sabia de tudo. E sorriam, pois aqui está a lista que tanto desejavam. A diferença é que não foi criada exatamente por um desocupado (pelo menos eu tenho que achar isso).  É bom lembrar que: estou deliberadamente chamando tudo isso de net.art, obras de arte – meu conceito para isso não é nem um pouco claro e preciso. Podem guardar seus livros de história e teoria da arte, e suas garras afiadas de críticos espertinhos. E é claro, essa seleção é completamente pessoal. Fiz questão de deixar de fora obras de net.art excessivamente conceituais, caretas ou chatas, independente de sua notoriedade.  E se vocês discordarem, bem… façam outra lista, sei lá. E me mandem.

  1. Superbad; este site fodeu revolucionou tudo que eu pensava a respeito do webdesign e das possibilidades da Internet, que não precisa ser informativa nem esclarecedora, como insinuam alguns designers caretas. Se alguém estiver lhe falando sobre experimentalismo na Internet, e não conhecer o Superbad, lembre-se sempre que estarás respaldado pelos deuses www para atacá-la com socos e pontapés. Ah, este site me inspirou diretamente a fazer isso, em 2006.
  2. much better than this; veja os amantes dando beijos e mudando de cor. Deveras gracioso e simples… e hipnotizante também. Um dos meus favoritos! Parte da obra de Rafael Rozendaal.
  3. FLY GUY; quantos de nós não gostariam simplesmente de ficar voando por aí? Pixel art, som, movimento, diversão, tudo muito claro e simples. Funciona. Desse até os designers vão gostar.
  4. Space in Veda; ruídos, popups, interferências, som – aqui, deu certo. Observe as janelinhas e aproveite as sensações… ah, desabilite o bloqueador de popups para esta página. Autoria: exonemo.
  5. Cubos de Cor; ande num labirinto colorido, onde só poderá ver a parede à sua frente. Bem interessante e divertido, no fim dá pra ter uma idéia do labirinto todo. Particularmente divertido para os que, como eu, se divertiram com os jogos text-based do DOS. Por Andrei Thomaz.
  6. p 0 e s 1 s ; a poesia abordada pelo hipertexto e outras linguagens características da informática e da Internet, como a linguagem ASCII, Flash e outros. Bem interessante e diversificado, conta inclusive com uma obra de Augusto de Campos.
  7. wPendulum; há algo lunar nesse trabalho. A ambiência sonora e as cores, a forma… Meditativo, contemplativo? Melhor vocês verem em vez de caçar esses adjetivos inadequados por aqui. Ah, permita que o popup seja aberto. Por Takashi Yamaguchi.
  8. eBoy; para saber o que é Pixel Art, é prudente conhecer, antes de qualquer coisa, o blog do Eboy. Deixei o link de propósito na página de papéis de parede, que tem umas coisas bem bonitas. Depois explore o resto do blog, e divirta-se com a explosão de cores.
  9. For All Seasons; uma experiência com texto, palavras, quatro estações, tridimensionalidade, movimento, etc. Este é um dos meus favoritos, sempre abro de vez em quando pra clarear a mente. Vale o download, que é minúsculo, por sinal. Por Andreas Müller.
  10. Web Arte no Brasil; estudos, textos e links por Fábio Oliveira Nunes (fabiofon). Pra quem se interessa a fundo e quer conhecer mais coisas. Tem uma lista de links de sites nacionais, é bom dar uma conferida. Não que todos os links sejam legais, mas enfim, já que é uma pesquisa…

Creio que dá pra passar um bom tempo se divertindo com estes links. É claro que, antes de tudo isso, você deve visitar o dedos.info, o mais genial e vibrante site já ousado nessa rede. Depois, o resto. OK? Abraços a todos!

CRAP, Cromograma e um artigo

26 Jun 2009 | publicado por dedos | Comente

Penalizei a mim mesmo, durante várias semanas, por esquecer, sucessivamente, (não, não acabei de descobrir a vírgula) de divulgar uma pérola da Internet e da crítica de arte. Aos que ainda não dominam a verborragia artística e a arte de criticar, essa ferramenta é demasiado útil e não pode passar sem nota.

Trata-se do Manual de Frases Instantâneas para Crítica Artística, ou CRAP (derivado de Critical Response to Art Product), idealizado por um outro ilustrador, porém desenvolvido pelo meu colega de crasse Alex Koti.

Outra criativa e mais recente empreitada do colega foi  o Cromograma, feito em WordPress, o que me levou a parabenizá-lo enfaticamente. Melhor do que eu ficar explicando do que se trata, recomendo que abram o link. É uma belezinha!

Pra finalizar, um artigo interessante (este não é do Alex) chamado A arte de fazer silêncio (na Internet), algo que eu andava pensando em escrever, porém aplicado à “vida real”. Ficam aí essas dicas pra você se sentir menos inútil na frente do computador, pelo menos por alguns minutos.

Fóruns artísticos na web

15 Jun 2009 | publicado por dedos | Comente

Como meu convívio com pessoas de carne-osso anda meio escasso, resolvi buscar na Internet algum lugar para discutir o assunto mais enfadonho do mundo, que por algum motivo obscuro, ou uma espécie de delírio pessoal, me fascina tanto: artes. Passei por muitos, a maioria é simplesmente lixo, lugares onde conhecidos ou pessoas procurando um “Quem-Indica” se encontram para elogiar uns aos outros, indignos de nota. Citarei uns três ou quatro que me parecem iniciativas mais dignas.

  • Canal Contemporâneo. O site é interessantíssimo, tem um blog ativo desde 2003, com postagens regulares, o que nos leva a concluir que é um trabalho que está sendo levado a sério. Mas o fórum, que seria o lugar para se discutir arte erudita e alta cultura, é decepcionante e um tanto parado. Além do cadastro muito cansativo, que exige endereço, telefone e tudo o mais, os tópicos das discussões não tem muita participação de usuários e tendem a discutir o âmbito mais institucional e elitizada do universo da arte (salões, bienais, editais, artistas, conceitos). O fórum se desenvolve à semelhança dos assuntos que aborda: num ritmo nem um pouco “alucinante”, com muita bajulação, o que me fez nunca mais voltar.
  • deviantART. Mantenho ainda um portfolio e uma página ativa por lá por questões históricas; comecei a subir meus desenhos e imagens para lá em 2001 (meu atual username é de 2003), quando era uma comunidade pequena que abrigava em seus fóruns discussões interessantes e enriquecedoras, assim como uma boa quantidade de tutoriais. NO ENTANTO hoje virou um repositório de mangá, oekakis, fanart e subgêneros, o que me leva a visitá-lo menos e menos. O fórum, hoje, é insuportável, pululado por pré-adolescentes amargos que simplesmente não conseguem se comunicar sem utilizar o mais estúpido e desconstrutivo sarcasmo – um tipo de humor popular ultimamente, típico de quem assiste televisão e seriados demais, ao meu ver. Mas não deixo de lembrar os méritos do site e o que me faz persistir nele: o sistema de portfolios e coleções é muito bom, e os administradores não apagam accounts antigos, por motivos históricos. Um lugar bem confiável para expor trabalhos e ganhar certa visibilidade no mundo internético. Em inglês, mas possui um grande número de usuários de língua portuguesa.
  • ConceptArt. Uma espécie de deviantART para “gente grande”, onde são admitidas apenas pessoas que levam seu trabalho a sério, e, acima de tudo, buscam algum tipo de evolução técnica. O fórum é o grande ponto forte deste site. É o lugar para descobrir suas falhas, coisas a serem melhoradas, méritos. E os usuários nos fóruns simplesmente não perdoam qualquer sinal de orgulho pessoal ou falta de receptividade à crítica. Porém, tendem a ser técnicos demais e ignorar discussões um pouco mais, digamos, “poéticas”. Como diz o nome do site, o foco está na ilustração conceitual, concepção de personagens, anatomia, desenho estrutural, etc, sendo um excelente lugar para aprender aspectos formais do desenho. Não sei se passo a frequentar ou não, já que meu enfoque não é bem esse. O sistema de portfolio é infinitamente inferior ao do deviantART, dá um certo trabalho montar sua galeriazinha, um sistema de thumbnails bem estranho. De qualquer forma, é um bom lugar para conhecer o trabalho de excelentes desenhistas, e uma navegada nos fóruns pode ser uma boa aula de como se fazer certas coisas, de críticas a desenhos. Ahhh, também é em inglês.

Não estou me lembrando de nenhum outro lugar que tenha me retido mais a atenção. Durante esta busca, fui visitando também diversos sites de artistas contemporâneos brasileiros, e gostaria de fazer uma pergunta a vocês, que estão sendo incensados pelo mercado, com direito a retrospectivas em conhecidas instituições e todo o tipo de floreio possível, que teoricamente são entendidos em arte e visualidade: qual seria a possível desculpa para manterem sites tão horríveis e pouco funcionais no ar? Se os artistas são as supostas “antenas da raça”, o que os levaria a ignorar a linguagem visual na Internet, um universo tão importante e talvez o principal meio de comunicação da atualidade? Não há desculpa para isso. Eu, pelo menos, não levo a sério um artista visual que aceita divulgar seu trabalho em um site malfeito, pouco funcional e visualmente desagradável. E também não perco a chance de alfinetar essa gente… ;]

post scriptum: se alguém conhecer sites interessantes neste sentido, façam o imenso favor de escrever ou comentar com os links. Não costumo dedicar minha energia à insensatez, mas se por acaso aparecerem recomendações desmedidas, publicarei aqui a minha lista negra de sites artísticos toscos.